HOME
Busca:
 
AGENDA
LOCALIZAÇÃO
INSTALAÇÕES
ASSOCIADOS
ASSOCIE-SE
BANCO DE CURRÍCULOS
EVENTOS
CONTATOS
AGENDA CULTURAL
ANUNCIE AQUI








VOLTAR

Tecnologia - 29/01/2016

Nuuvem estuda modelo de assinatura para acesso a catálogo com milhares de jogos


Thiago Diniz, ao fundo, com os sócios Paulo Schilling, Andrey Beserra e Fernando Campos - DIVULGAÇÃO/Simone Avellar

 

RIO — Criada em 2012, a Nuuvem é um exemplo de start-up brasileira de sucesso. Mesmo concorrendo com a gigante americana Steam, da Valve, o serviço de distribuição digital de jogos eletrônicos conquistou um público de mais de 500 mil usuários ativos, que fecham cerca de 45 mil compras todos os meses. Em 2015, o faturamento foi de R$ 20 milhões. Agora, a empresa planeja um salto que pode revolucionar o mercado. Está em estudo um modelo de negócio com assinatura mensal, algo como o “Netflix dos videogames”.

— Por um valor fixo, os jogadores terão acesso ao catálogo com milhares de jogos à disposição. Como o Netflix. Basta clicar e começar a jogar — explica Thiago do Nascimento Diniz, cofundador e diretor de Operações da Nuuvem. — Isso abre oportunidade para o gamer conhecer títulos que não conheceria com o modelo atual.

Ainda não existe data para o lançamento, nem detalhes dos planos. Diniz conta que o projeto está sendo desenvolvido desde o ano passado, mas ainda existem barreiras a serem superadas. A principal delas é de uma tecnologia que ofereça maior agilidade aos usuários. Como os arquivos dos jogos são grandes, o tempo de espera até a conclusão do download é longo. A empresa está testando um novo sistema, que mescla computação em nuvem com o processamento local e permite que o game seja iniciado mesmo antes de todo os arquivos serem baixados.

Para se diferenciar do concorrente, a Nuuvem conversa com desenvolvedores para oferecer conteúdo exclusivo. No início, a ideia é ter alguns títulos e conteúdos extras, conhecidos como DLCs, mas com o passar do tempo é possível que a empresa financie a produção de títulos próprios.

— Com “A Lenda do Herói” nós já montamos uma parceria interessante — conta Bernardo Barros, responsável pelo Marketing da start-up. — Não nos envolvemos na produção, mas trabalhamos juntos na divulgação do título, um dos maiores sucessos nacionais que entrou em pré-venda no ano passado.

IMPULSO À INDÚSTRIA NACIONAL DE GAMES

Diniz começou a ter contato com a indústria de videogames como gamer. “Viciado”, ele chegou a ser campeão mundial de “Battle of Middle Earth”, jogo baseado na trilogia “O Senhor dos Anéis”. O reconhecimento veio em forma de contato com desenvolvedores, e, olhando por dentro do mercado, enxergou oportunidades. Quando a Nuuvem foi lançada, os consumidores brasileiros não tinham uma opção de compra digital de jogos eletrônicos cotados em real, com assistência local e conteúdo em português.

A falta de opção foi a porta de entrada, mas a ambição do jovem empreendedor é dar um impulso à indústria nacional de games. Hoje, o setor sobrevive principalmente com os jogos publicitários, conhecidos como advergames, mas títulos recentes, como “Chroma Squad”, “Toren” e “A Lenda do Herói”, servem de exemplo para mostrar que é possível criar jogos de qualidade e bem-sucedidos no país.

— São projetos de alta qualidade e representam um grande passo para o amadurecimento do setor — avalia Diniz. — Nós trabalhamos próximos aos desenvolvedores nacionais, promovendo parcerias. O sucesso deles é o nosso sucesso.


 

 

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/tecnologia/start-up-brasileira-planeja-criar-netflix-dos-videogames-18560524#ixzz3yf7ydAdG 


 
Usuário:
Senha:


 
Av. Santa Cruz, 4425 - Salas 201 | 202 | 203 - Bangu - Rio de Janeiro - RJ. Tel.: (21) 3331-2127
Programação e webdesign: Perfil Solução
A marca propmeio não existe nesse contexto.